Princesa bávara nascida na Itália e segunda imperatriz do Brasil após o casamento com dom Pedro I, em 1829, Amélia de Leuchtenberg teve apenas uma filha com o imperador, Maria…

Em maio de 1828, dom Pedro I, viúvo da imperatriz Leopoldina, recebeu a notícia de que a princesa bávara nascida na Itália dona Amélia de Leuchtenberg aceitara seu pedido de casamento. O contrato nupcial exigia o afastamento da amante do imperador, a marquesa de Santos, da corte, no Rio de Janeiro. Para cumprir a exigência do contrato, o imperador lhe escreve esta carta.

Rio de Janeiro, 13 de maio de 1828

Marquesa, Não foram faltos de fundamentos os conselhos que lhe mandei em minhas anteriores cartas para que me pedisse licença debaixo de pretexto de saúde para ir estar em outra…

…também forma de crônica (Paulo Mendes Campos produziu várias) ou letra de música, como fizeram Noel Rosa e Chico Buarque. De uma maneira ou de outra, conservam o caráter de

No dia 13 de maio de 1828, dom Pedro I enviou uma carta à marquesa de Santos proibindo-a de permanecer na corte por exigência do contrato de seu casamento com Amélia de Leuchtenberg, princesa bávara nascida na Itália, com quem se casaria no ano seguinte. Esta é a resposta da marquesa.

[Rio de Janeiro, 13 de maio de 1828]

Senhor, Recebi ao meio-dia a carta de vossa majestade e não respondi logo, como devia, por causa de uma grande dor de cabeça que me acompanhava. Agora que me acho…

Em 1831, em meio a forte crise política, dom Pedro I abdicou em favor de Pedro de Alcântara, então com seis anos de idade, filho de seu primeiro casamento com dona Leopoldina. Foi obrigado a deixar o Brasil com a segunda mulher, dona Amélia de Leuchtenberg, e, na madrugada de 7 de abril daquele ano, noite da partida, ela, que estava com 19 anos e amava os enteados, deixou esta carta ao menino e futuro imperador dom Pedro II, como se pode ouvir na leitura em vídeo ao final da carta.

Rio de Janeiro, [abril de 1831]

…nesse teu repouso! Meus olhos chorosos não se puderam furtar de te contemplar! A majestade de uma coroa, a debilidade da infância, a inocência dos anjos cingem tua fronte de