A década de 1980 marca o nascimento da banda Legião Urbana que, nesta carta de Renato Russo, ainda não conhecia a fama. Ao fotógrafo Maurício Valladares, o músico – tomado de boas expectativas – dá notícias do contrato a ser assinado com a EMI, empresa fonográfica que lançaria definitivamente a banda em 1985.

[Dezembro, 1983]

Maurício,

Mal tive tempo de falar com você, mas é tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo – tantas decisões. Este final de ano foi fogo. Mas, adivinha só, graças aos fabulosos Paralamas [do Sucesso] o pessoal da EMI vai mesmo sign us up God only knows o que vai acontecer depois disso. Joy Division […]

De 1969 a 1973, enquanto esteve como preso político da ditadura militar, o ainda jovem Frei Betto escreveu uma série de cartas que foram organizadas e publicadas em volume único. Feliz por receber um dos exemplares e por, finalmente, ter notícias sobre a liberdade do frade, o amigo Erico Verissimo atualiza-o das desilusões aos planos: está aqui anunciado o processo da segunda parte de Solo de clarineta, que o autor gaúcho não chegaria a ver publicado.

Porto Alegre, 23 de setembro de 1974

Meu caro Frei Betto:

Foi com grande alegria que recebi suas Cartas (1972), que estou lendo aos poucos com maior prazer e emoção. Havia muito que andava ansioso por notícias suas. Nunca fiquei sabendo se recebeu minha segunda remessa de livros, que dirigi em seu nome ao presídio. Creio que foram dois pacotes, num total […]

Se a amizade entre Celso Furtado e Antônio Callado começou na década de 1940, no Rio de Janeiro, em uma redação de jornal, ela logo se expandiria. A dupla compartilharia projetos literários e posicionamentos políticos afinados contra a ditadura militar. Nesta carta, Callado comenta sobre o processo de escrita do seu romance Quarup e promete um ensaio para a revista francesa Les Temps Modernes, cuja edição especial sobre o Brasil seria organizada por Furtado, seguindo sugestão de Jean-Paul Sartre.

Guanabara, 9 de fevereiro de 1967

Meu caro Celso, sua carta de 14 de janeiro só me chegou às mãos a 3 de fevereiro, véspera do Carnaval, quando eu estava de malas prontas para fugir para Teresópolis. Mas me valeu uma excelente visita do Lucio Costa. O Lucio chegou aqui em casa entre nove e […]

Quando o mundo começava a amargar os horrores da Segunda Guerra Mundial, o húngaro Paulo Rónai se dedicava, solitário, a aprender português em sua terra natal. Mais que isso: ele traduziria 33 poemas de 23 poetas brasileiros, reunidos na publicação Brazilia Üzen: Mai Brazil költök [Mensagem do Brasil: os poetas brasileiros da atualidade]. Aquela era a primeira vez que, na Europa Central, “liam-se versos brasileiros e se podia entrever a existência do Brasil, até então só conhecido como produtor de café”, afirma ele. A inédita iniciativa intelectual, reconhecida pelo então presidente Getúlio Vargas nesta carta, foi uma espécie de passaporte para o professor e tradutor fugir dos campos de concentração em direção ao Brasil, sua pátria por adoção.

Rio de Janeiro, 20 de novembro de 1939

Ao Senhor Professor Paulo Rónai.

Tenho a satisfação de acusar o recebimento do vosso livro Brazilia Üzen [Mensagem do Brasil], contendo poesias brasileiras traduzidas para o idioma húngaro, que, com uma amável carta, […]

Em 1946, o escritor mineiro João Guimarães Rosa lançava Sagarana, livro de contos que introduziu a temática regionalista universalista, pela qual se notabilizaria. A chegada ao hibridismo entre saga, radical germânico que significa lenda, e rana, palavra de origem tupi que expressa semelhança, levou tempo. A primeira versão da obra data de 1938, quando o escritor, sob o pseudônimo de Viator, inscreveu o livro então intitulado Contos no concurso Humberto de Campos, promovido pela livraria José Olympio. Desbancado por Maria Perigosa, de Luís Jardim, o livro terminou na segunda colocação. Contudo, as doze histórias ambientadas no sertão de Minas Gerais deram corpo a um clássico da literatura brasileira. Em carta ao jornalista João Condé, autor da coluna Arquivos implacáveis, Rosa explicou detalhadamente o processo criativo de Sagarana.

[Sem data]

Prezado João Condé,

Exigiu você que eu escrevesse, manu propria, nos espaços brancos deste seu exemplar de Sagarana, uma explicação, uma confissão, uma conversa, a mais extensa, possível — o imposto João Condé para escritores, enfim. Ora, nem o assunto é simples, nem sei eu bem o que contar. Mirrado pé de couve, seja, o […]