No exílio entre 1971 e 1986, o dramaturgo Augusto Boal se correspondeu com uma série de amigos que lhe davam notícias da situação política e cultural do Brasil sob o regime militar. Todo um panorama do universo artístico de 1978 é vivamente descrito, nesta carta, pelo ator e diretor Fernando Peixoto, ligado ao Teatro Oficina e ao Teatro de Arena, a que Boal é visceralmente  ligado. Parte dessa correspondência integra a exposição Meus caros amigos – Augusto Boal – cartas do exílio, em cartaz no IMS de 4 de junho a 21 de agosto de 2016.

São Paulo, 4 de março [de 1978]

…com Guarnieri num roteiro. Mandou abraço pra você. Acervo Augusto Boal [1] N.S.: Milagre no Brasil é um livro de Augusto Boal, publicado em 1979 pela Civilização Brasileira. [2] N.S.:…

“Consegui o que todo mundo acha uma contradição: ser poeta e homem de negócios” – dizia Schmidt, que se ligou ao grupo modernista antes de publicar seu primeiro poema, “Canto…