Entre 1975 e 1977, Lygia Fagundes Telles iniciou um movimento para criar o Museu da Literatura Brasileira, uma espécie de irmão gêmeo paulista do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira, aberto por Plínio Doyle em 1972 na Fundação Casa de Rui Barbosa. Segundo a autora, o Museu da Literatura Brasileira, com o apoio do Centro Federal de Cultura, seria um “centro de estudos e pesquisas grande o bastante para ser realmente representativo da nossa literatura”. Nesta carta ao amigo Erico Verissimo, Lygia convoca o escritor gaúcho a doar fotografias e manuscritos e a divulgar a iniciativa. Com ajuda de José Geraldo Nogueira Moutinho, foram reunidos em torno de 230 itens, mas o Museu não se tornou realidade e o material coletado, de pouca ou nenhuma divulgação até agora, está sob a guarda do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB).

[São Paulo], 12 de setembro de 1975

Erico, meu querido:

Ainda no belíssimo cartão que você me deu aqui estou para cobrar-lhe o material para nosso Museu da Literatura Brasileira: fotos (antigas, modernas, você com Mafalda, com os filhos, com os amigos) textos, manuscritos, caricaturas, cartas que escritores famosos lhe escreveram – enfim, todas as […]

O poeta Armando Freitas Filho e Heloisa Buarque de Hollanda, uma das principais críticas da cultura brasileira em ação, são amigos de longa data. Ele, que completa 80 anos neste 18 de fevereiro de 2020, doou recentemente seu arquivo ao Instituto Moreira Salles. Entre os documentos, fotografias e originais de poemas que, em breve estarão disponíveis para consulta, encontra-se esta carta em que “Helô” revela as saudades do amigo poeta e as novidades dos Estados Unidos, quando ministrava aulas de Literatura Brasileira na Columbia University como professora visitante.

Nova Iorque, 28 de junho de 1984

Armando querido:

Não foi uma carta que recebi. Foi você inteirinho dentro do envelope. Papel de serviço público, caligrafia psicoirrepreensível, mergulhando vestido. Quase morro de saudades. Saudades de implicar com você. Aqui tem tudo que a gente possa pensar self-made men, freaks, junkies, scholars, artists, qualquer coisa, mas […]

Hélio Pellegrino, amigo de toda a vida de Otto Lara Resende, lhe envia, de Minas, esta carta escrita em dois momentos diferentes, que vão do desespero à esperança. A profunda angústia do primeiro resultaria em “Prosa de 24 de agosto de 1947”, transposição desta carta para versos, que podem ser vistos aqui na galeria de imagens.

Belo Horizonte, 24 de agosto de 1947

Meu querido Otto,

Estou a escrever-lhe num dos momentos mais definitivos da minha vida, num desses momentos em que o cálice das tristezas parece que vai transbordar. Hoje, Otto, neste agora, neste momento, a minha angústia é tamanha, o meu sofrimento é tão alto, que tudo o mais […]

Euclides da Cunha e Vicente de Carvalho tinham mais em comum do que o fardão da Academia Brasileira de Letras. É do autor de Os Sertões, também amigo pessoal do poeta parnasiano, o prefácio de Poemas e canções, livro que abriria as portas da Academia Brasileira de Letras para Vicente, em 1909.  Nesta carta, o parnasiano revela o personagem heroico do poema “Fugindo ao cativeiro”, no qual Manuel Bandeira identificou “força épica”, e é incluído no livro.

São Paulo, 31 de agosto de 1908

Euclides,

Enfim posso escrever-te, e mandar-te, dos Poemas e canções, os versos que não fazem parte da Rosa, rosa de amor… Quer dizer: o livro compor-se-á dessas 160 páginas de versos, que vão, e da Rosa, rosa de amor

Como te mandei dizer, o prefácio irá com numeração romana, e em tipo diferente. Uma parte […]

Lygia Fagundes Telles cursava ainda a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco quando começou a trabalhar como assistente do Departamento Agrícola do Estado de São Paulo. Embora estudasse para ser advogada, como o pai, aos 20 anos estava certa de que sua vocação era a literatura. Esta carta, escrita para Erico Verissimo, de quem era amiga, testemunha a insatisfação com o cargo público e a criação improvisada de um pequeno e delicioso conto.

São Paulo, 3 de julho de 1943

Erico Verissimo, estou numa sala onde trabalho, isto é, onde devo deixar todos os dias num livro, fincado como um marco, o vestígio da minha passagem. Em outros termos, funcionária pública, a pior funcionária pública que existe no mundo. Leio romances enfurnados na gaveta, tenho o ar dolorido para que não me deem serviço e, […]