O carnaval baiano é precedido do Festival de Verão de Salvador, que junta os ritmos mais diversos com a presença de artistas das mais variadas origens. Gabriel, o Pensador, que se apresentou naquele ano de 2002, saiu tão impressionado com a atmosfera do encontro que precisou escrever esta carta a Gilberto Gil.

[Salvador], 11 de fevereiro de 2002

Gil querido!

Eu tô no avião e já morrendo de saudades! De você, do trio, de Salvador… de milhares e milhares de pessoas que fizeram amor comigo e com a gente ontem de uma maneira tão apaixonada e apaixonante! Dali nenhuma alma consegue sair de biscoito seco. Foi um orgasmo físico, mental e espiritual maravilhoso, […]

Todo o estado de encantamento e emoção trazido pela paixão é plenamente interpretado por Rubem Braga nesta carta/ crônica em que o autor mescla fantasia e realidade em atmosfera onírica. 

[Rio de Janeiro], 5 de abril de 1956[1]

Minha querida,

Recebi sua carta à hora em que ia saindo de casa. Li-a de um só trago, voltei ao quarto para guardá-la e desci – um amigo me esperava lá embaixo. Fomos conversando até a cidade, e gostei quando me despedi dele, porque o […]

As dores do exílio são comentadas nesta carta de Augusto Boal ao também ator e diretor de teatro Gianfrancesco Guarnieri, que ficara no Brasil enfrentando, do lado de dentro, a ditadura militar que se instalou no país de 1964 a 1985.

Paris, 14 [de] fevereiro [de] 1979

Foi no meio da noite um telefonema que devia ter sido ao meio-dia, com o sol a pino; foi no meio do sono um telefonema, que devia ter sido em horas de lucidez; foi com os olhos meio fechados, quando deviam estar arregalados; foi com os ouvidos meio surdos do barulho dos loubards em motocicletas no Boulevard Beaumarchais, aqui perto, lá embaixo, que eu ouvi a tua voz lá de longe, inesperada, bem-vinda.

Não é numerosa a correspondência entre Monteiro Lobato e Artur Coelho, que foi tradutor da Paramount. No entanto, as oito cartas que cobrem os anos de 1936 a 1948 fazem revelações como esta, em que o escritor e editor avalia os efeitos da perda de liberdade durante o Estado Novo, comandado por Getúlio Vargas.

S.l., [1938]

Coelho,

Desconfio que não te chegou uma minha, pois que na de 15 de junho hoje recebida fazes perguntas já respondidas. Nela eu te dizia que foste com muita sede ao pote; que a linha da UJB[1] não comporta senão águas paradas e em dosezinhas breves; são jornalecos avaros de espaço. Nem comporta […]

Amigos, Mário de Andrade e Moacir Werneck de Castro conviveram intensamente entre julho de 1938 e fins de fevereiro de 1941, período em que o primeiro morou no Rio de Janeiro, sofrendo de inadaptação e solidão. De volta a São Paulo, cartas, como esta, de certa maneira substituíam as longas conversas na Taberna da Glória, quase em frente ao apartamento que Mário alugava na rua Santo Amaro, 5, no mesmo bairro da Glória.

São Paulo, Reis [6 de janeiro] de 1942

Moacir,

Deixei de responder mais cedo à sua última carta, muito delibe­radamente. Desta vez o “missivista exemplar” estava carecendo de não escrever a certos amigos mais certos. Se escrevesse, mentia. Vo­cês já estão arquissabidos de que eu estava no fim de um período de desequilíbrio, e eu com vergonha de feitas as promessas e as […]